quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

"O Velho do Restelo"

A curta-metragem "O Velho do Restelo", a mais recente obra de Manoel de Oliveira, estreia-se hoje em Portugal, dia em que o realizador completa 106 anos.



PARABÉNS, MANOEL DE OLIVEIRA!!! CENTO E SEIS ANOS!!!




MANUEL Cândido Pinto de OLIVEIRA nasceu no Porto, a 11 de Dezembro de 1908, tendo sido registado com a data do dia seguinte. Apesar da sua provecta idade, continua a exercer a actividade de cineasta, sempre com as mais elogiosas menções por parte da crítica internacional. Vale Abraão, O Convento, A Caixa e Non ou a Vã Glória de Mandar são alguns dos seus mais conhecidos filmes.






quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Declaração Universal dos Direitos do Homem em 10 de dezembro de 1948

A 24 de outubro de 1945, no rescaldo da Segunda Guerra Mundial, as Nações Unidas surgiram como uma organização intergovernamental com o propósito de salvar as gerações futuras da devastação do conflito internacional.
Representantes das Nações Unidas de todas as regiões do mundo adotaram formalmente a Declaração Universal dos Direitos do Homem em 10 de dezembro de 1948.
A Carta das Nações Unidas estabeleceu seis corpos principais, incluindo a Assembleia Geral, o Conselho de Segurança, o Tribunal Internacional de Justiça, e em relação aos direitos humanos, um Conselho Social e Económico (ECOSOC).
A Carta da ONU concedeu à ECOSOC o poder de estabelecer “comissões para os assuntos económicos e sociais e para a proteção dos direitos do homem.” Uma delas foi a Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que, sob a presidência de Eleanor Roosevelt, viu a criação da Declaração Universal dos Direitos do Homem.
A Declaração foi redigida por representantes de todas as regiões do mundo e abarcou todas as tradições legais. Inicialmente adotada pelas Nações Unidas a 10 de dezembro de 1948, é o documento dos direitos humanos mais universal em existência, delineando os direitos fundamentais que formam a base para uma sociedade democrática.
A seguir a este ato histórico a Assembleia exigiu a todos os países membros que publicassem o texto da Declaração e que “fizessem com que fosse disseminada, exibida, lida e explicada principalmente nas escolas e noutras instituições educacionais, sem qualquer distinção baseada no estatuto político dos países ou territórios”.
Hoje em dia, a Declaração é um documento vivo que foi aceite como um contrato entre um governo e o seu povo em todo o mundo. De acordo com o Livro de Recordes Mundiais do Guinness, é o documento mais traduzido no mundo.
Aqui texto completo da declaração»»

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Vamos descobrir a biblioteca escolar


Para responder aos desafios atuais, decorrentes da revolução digital e da alteração da forma como se lida com a informação e se adquire e produz conhecimento, o sistema educativo necessita, mais do que nunca, de bibliotecas sólidas, capazes de ensinar e apoiar os alunos na obtenção de bons resultados escolares e no domínio das literacias indispensáveis para o futuro.
Programa Rede de Bibliotecas Escolares: Quadro Estratégico 2014-2020

ALMEIDA GARRETT

A 9 de Dezembro de 1854, morre, em Lisboa, João Baptista da Silva Leitão de ALMEIDA GARRETT
Nome maior da cultura portuguesa. Foi um político liberal, grande orador, embaixador, escritor e poeta de grande mérito. Está particularmente ligado ao teatro português. A ele se deve a criação do Conservatório de Arte Dramática e do Teatro Nacional D. Maria II. Deixou obras repetidamente levadas à cena como Frei Luís de Sousa e O Alfageme de Santarém. Provavelmente o mais belo livro que escreveu foi Viagens na Minha Terra.












terça-feira, 25 de novembro de 2014

OS MAIAS - TRAILER



SUGESTÃO em dia de EÇA DE QUEIROZ



TÍTULO: Eça de Queiroz - A Questão Inalienável da Naturalidade Vila-Condense
AUTOR: Francisco Mesquita
 
"Será porventura eterna a teia de mistério que envolve o local exato onde a jovem solteira Carolina Augusta deu à luz o seu filho José Maria, o primogénito de vários irmãos, mas o único a quem os progenitores nunca concederam o aconchego do lar paternal.O primeiro documento oficial existente dá-o como natural e batizado em Vila do Conde, pelo que não é de estranhar a menção deste facto nos diversos documentos oficiais existentes, os quais expressam – por vezes, pela própria mão do escritor - a sua inequívoca naturalidade vila-condense.Na época, não existiam conservatórias civis e os assentos de nascimento eram da competência dos cartórios paroquiais, neste caso o da paróquia de S. João Baptista de Vila do Conde, em cuja Igreja Matriz o batizado se realizou, pelo que é absolutamente legítimo declarar José Maria Eça de Queiroz como natural de Vila do Conde."

Eça de Queirós na Biblioteca Nacional

Para aceder clica na imagem

Eça....em dia de aniversário, deste grande escritor, fica a saber mais sobre ele!

A 25 de novembro de 1845, nascia numa casa da Praça do Almada, na Póvoa de Varzim, um menino de nome José Maria de Eça de Queirós.


Para aceder clica na imagem

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Procura a ciência


Participa, concorre


Prémio Literário Joaquim Pacheco Neves


Joaquim Pacheco Neves – (1910-1998) Escritor e investigador  da história vilacondense, Joaquim Pacheco Neves é autor de uma extensa obra, destacando-se principalmente nos contos e novelas. A sua obra foi galardoada com alguns prémios nacionais. De quase meia centena de títulos que publicou, destacam-se: O bairro do Cemitério, Histórias da Noite Escura, Contos Macabros, José Régio, Os desenhos de Régio. O Mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde, Vila do Conde e Luís Afonso Baldaia, entre outros.


Joaquim Maria Pacheco Neves foi um médico e escritor de Vila do Conde e sócio honorário do Círculo Católico de Operários. Por conseguinte, a homenagem que lhe é prestada, dedicando-lhe o Prémio Literário com o seu nome, deve-se à dedicação que teve na sua vida para com o CCO, e também ao espólio pessoal que por decisão da família de Joaquim Pacheco Neves, falecido em 1998, foi doado ao CCO.
A 11 de junho de 2011, aquando da cerimónia de encerramento da comemoração do 1º centenário do seu nascimento, abriu na sede do CCO um espaço dedicado a este escritor vila-condense, onde se procurou reconstituir o ambiente do seu escritório. Nesta sala, aberta ao público em geral, podemos encontrar testemunhos da ligação de Joaquim Pacheco Neves a esta associação desde os anos 30, assim como a outras associações e instituições, prémios literários com que esta personalidade foi distinguida e referências às suas amizades.
Esta associação considerou ser este o momento ideal para instituir o Prémio Literário Joaquim Pacheco Neves, com o objetivo de desenvolver e promover o gosto pela escrita e pela leitura junto dos alunos do concelho de Vila do Conde, convidando as escolas e agrupamentos de escolas do 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário a participarem nesta iniciativa com trabalhos inéditos no âmbito do conto, novela, teatro e história local. Este prémio pretende distinguir em ex aequo três trabalhos de entre os apresentados a concurso.
Dando seguimento a esta iniciativa o Círculo Católico de Operários convidou o Dr. Amorim Costa, para presidir e constituir o júri do Prémio Literário Joaquim Pacheco Neves, tendo este convidado a Dra. Albina Maia e o Dr. António Nabais para o integrar.
No ano 2013, a direcção do CCO decidiu editar os trabalhos vencedores do ano letivo 2011-2012, tomando a decisão de continuar todos os anos a editar os trabalhos vencedores dos anos seguintes.
(Inf. via CCO)

9ª Edição do Concurso Nacional de Leitura 2014-2015


O Concurso Nacional de Leitura é uma iniciativa do PNL que propõe um desafio às competências de expressão escrita e oral dos alunos do 3º ciclo e do Ensino Secundário das Escolas Públicas, privadas e EPE. O processo decorre em três fases distintas, ao longo do ano letivo, e culmina numa final nacional em que são apurados os vencedores em cada um dos níveis de ensino.
O objetivo central deste concurso é estimular o treino da leitura e desenvolver competências de expressão escrita e oral junto dos alunos do 3º Ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário. 

Muito especial e intemporal

Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

In Movimento Perpétuo, 1956


Investigador e POETA

A 24 de Novembro de 1906, nascia, em Lisboa, RÓMULO VASCO DA GAMA DE CARVALHO, professor, investigador e poeta. Como pedagogo, foi autor de inúmeras obras de divulgação científica e, como poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão, escreveu conhecidos poemas como Lágrima de Preta e Pedra Filosofal.

24 de novembro - Dia Mundial da Ciência; Dia Nacional da Cultura Científica


Origem do Dia
O Dia Nacional da Cultura Científica foi criado em 1996 em Portugal. Foi escolhido o dia 24 de novembro para a sua celebração pois foi neste dia (em 1906) que nasceu Rómulo de Carvalho, o professor de Física e Química, responsável pela promoção do ensino de ciência e da cultura científica em solo nacional. Rómulo de Carvalho foi também poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão.



Semana da Ciência e da Tecnologia


De 22 a 30 de Novembro, durante a Semana da Ciência e da Tecnologia, instituições científicas, universidades, escolas e museus abrem as portas, proporcionando à população oportunidades de observação científica e de contacto pessoal com especialistas de diferentes áreas do conhecimento.
Ler »»